Papa recebe agentes de Segurança Pública Vaticana: discrição e equilíbrio

Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta segunda-feira (28/09), na Sala Paulo VI, no Vaticano, os agentes da Inspetoria de Segurança Pública Vaticana, por ocasião dos 75 anos de fundação dessa instituição.


Ao recordar a fundação do organismo, o Pontífice agradeceu a Deus pelos “75 anos de história e pelo trabalho de muitos homens e mulheres da Polícia Civil Italiana” que na trilha do vínculo profundo existente entre a Santa Sé e a Itália, “desempenharam, com competência e paixão, uma missão que tem origem nos Tratados de Latrão de 1929. Esses acordos, ao sancionar o nascimento do Estado da Cidade do Vaticano, previram um regime peculiar para a Praça São Pedro, com livre acesso para peregrinos e turistas e sob a supervisão das autoridades italianas”.

 

Origem da Inspetoria de Segurança Pública Vaticana


Olhando para trás, se vê como a origem da Inspetoria de Segurança Pública Vaticana se insere num contexto de precariedade e emergência nacional, quando as forças políticas e sociais estavam comprometidas com a retomada democrática. Em março de 1945, concretizou-se o projeto de dar autonomia e configuração jurídica a este serviço policial. O Ministério do Interior, guiado pelo presidente do Conselho de Ministros, Ivanoe Bonomi, criou o Escritório Especial de Segurança Pública "São Pedro".


“Desta forma, o serviço que as forças policiais realizavam há muito tempo na Praça São Pedro e nos arredores do Vaticano se fortaleceu e tornou-se mais eficaz”, frisou o Papa, recordando que “a ocupação de Roma pelas tropas alemãs em 1943 criaram muitas dificuldades e preocupações”, como a questão do “respeito dos soldados alemães pela neutralidade e soberania da Cidade do Vaticano, assim como pela pessoa do Papa. Durante nove meses, a fronteira entre o Estado italiano e a Cidade do Vaticano, desenhada no chão da Praça São Pedro, foi um lugar de tensão e medo. Os fiéis não podiam entrar facilmente na Basílica para rezar. Por isso, muitos desistiam”.   

 

Roma foi libertada, em 4 de junho de 1944, “mas a guerra deixou feridas profundas nas consciências, escombros nas ruas, pobreza e sofrimento nas famílias. Os romanos e os peregrinos que puderam chegar à capital, afluíram numerosos a São Pedro, também para expressar gratidão ao Papa Pio XII, proclamado “defensor civitatis”. O novo Escritório da Polícia Civil Italiana no Vaticano foi capaz de responder adequadamente às novas exigências e prestar um serviço importante tanto à Itália quanto à Santa Sé”.

 

A gratidão do Papa


Francisco agradeceu aos funcionários e agentes da Inspetoria de Segurança Pública Vaticana, pelo seu precioso serviço, marcado pela diligência, profissionalismo e espírito de sacrifício, ressaltando que admira a paciência que eles têm ao lidar com pessoas de origens e culturas diferentes e, “ouso dizer, ao lidar com os padres", sublinhou.

 

A minha gratidão estende-se também ao seu compromisso de me acompanhar durante as minhas viagens a Roma e nas visitas às dioceses ou comunidades italianas. Um trabalho difícil, que requer discrição e equilíbrio, a fim de que os itinerários do Papa não percam o seu carácter específico de encontro com o Povo de Deus. Por tudo isso, mais uma vez lhes agradeço.


Francisco incentivou a Inspetoria de Segurança Pública Vaticana a continuar trabalhando de acordo com sua história luminosa, sabendo extrair dela frutos novos e abundantes. O Papa concluiu, desejando que o organismo recorde sempre os valores humanos e espirituais que devem ser acolhidos e testemunhados todos os dias, e que seu esforço, muitas vezes realizado com sacrifício e risco, seja animado por uma fé cristã viva.

 

Fonte: Vatican News

 
Indique a um amigo