O legado de Francisco no Iraque: respeitar a diversidade e construir o futuro como irmãos

Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -

Salvatore Cernuzio – Vatican News

"Somos todos irmãos apesar de nossas diferenças, devemos respeitar a diversidade e nos unir para construir uma sociedade melhor". Em meio aos resquícios de guerras e lutas fratricidas e às dificuldades causadas pela pandemia do coronavírus, a mensagem trazida pelo Papa Francisco durante sua visita em 5-8 de março de 2021, ressoou e continua, dois meses depois, a ressoar muito no Iraque. Uma visita definida unanimemente como "histórica" pelos palestrantes do webinar organizado pelo Alto Comitê para a Fraternidade Humana (HCHF), intitulado "Um Momento de Fraternidade Humana: O impacto da histórica visita do Papa Francisco ao Iraque". Entre eles estavam os Cardeais Raphael Louis Sako e Miguel Angel Ayuso Guixot, respectivamente Patriarca Caldeu de Bagdá e Presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, ambos estiveram ao lado do Papa durante sua peregrinação ao país do Oriente Médio.

A importância da visita para todo o Oriente Médio

Todos ofereceram um ponto de vista pessoal sobre a natureza humanitária e sobretudo inter-religiosa da primeira viagem de um Pontífice ao Iraque, destacando a importância da visita para todo o Oriente Médio e para a fraternidade humana global. A partir daqui, uma reflexão sobre os próximos passos na reconstrução do país, começando pelo tecido social e chegando às infra-estruturas e à esfera cultural, com seu enorme potencial para promover a estabilização, a reconciliação e a esperança de um futuro melhor.

Sako: um plano comum para desenvolver as indicações do Papa

O Patriarca Sako concentrou-se precisamente no futuro, expressando a esperança de uma visão e de um plano de trabalho comum entre Igreja e política, cristãos e muçulmanos, para implementar o que o Papa indicou em seus discursos e reuniões durante as 72 horas em solo iraquiano. O ponto de partida é a consciência de que "Nós somos parte de você e você é parte de nós", a mesma expressão que se destacou em vários cartazes colocados nas ruas de Bagdá, retratando o Pontífice e o grande ayatollah dos xiitas Ali al-Sistani. "O Papa confirmou que a única maneira de percorrer o caminho da paz, estabilidade, liberdade e dignidade de todo ser humano, como base da coexistência, é através do controle de armas", disse Sako. Ele exortou o clero a fazer das religiões "uma fonte de respeito mútuo, reconciliação, paz e estabilidade na região e no mundo" e os educadores a transmitir às novas gerações os fundamentos, os pontos comuns, os valores espirituais e morais dos diferentes credos religiosos. Os políticos também foram chamados a renovar seu compromisso de servir seus cidadãos. O cardeal agradeceu então aos Emirados Árabes Unidos por seu trabalho no campo da tolerância religiosa, cultural e social e pela criação de um Ministério da Tolerância. 

Ayuso: a viagem, um marco no caminho inter-religioso

Por sua vez, o Cardeal Ayuso concentrou-se nos gestos e palavras do Pontífice que deixaram uma marca em Bagdá, como em Ur, Erbil ou Mosul. "Creio que, sem qualquer retórica, podemos dizer que a visita do Papa Francisco foi outro marco no caminho do diálogo inter-religioso", disse. E relatou sua experiência como "cristão" que sofreu ao ver com seus próprios olhos a devastação do país ("Tudo ainda fala da guerra e da violência sofrida não só pelos cristãos"), mas também como testemunha ocular dos grandes acontecimentos que caracterizaram a viagem do Pontífice. Um acima de tudo, a visita privada a al-Sistani, que, segundo Ayuso, "contribuiu para a construção de uma fraternidade entre cristãos e muçulmanos". O encontro em Ur, terra na qual Abraão iniciou sua viagem na história, foi também uma ocasião "para redescobrir as razões da convivência entre irmãos, de modo a reconstruir um tecido social além das facções e grupos étnicos".

O projeto da UNESCO para Mosul reviver

A aplicação prática destes objetivos são os muitos projetos planejados ou já em andamento. Alguns deles foram listadas pelo dominicano Padre Poquillon, que se concentrou especialmente na iniciativa lançada em fevereiro de 2018 pela diretora geral da UNESCO, Audrey Azoulay, intitulada "Revive the Spirit of Mosul" ("Reavivar o espírito de Mosul"). Uma resposta, explicou o dominicano que faz parte do Comitê Técnico Conjunto, para a recuperação de uma das cidades icônicas do Iraque, devastada pela fúria jihadista. A recuperação entendida não apenas como reconstrução dos locais da cidade, mas também o empoderamento da população como agentes de mudança através da cultura e educação. "Não existe um destino paralelo para comunidades diferentes", disse Poquillon, "compartilhamos a mesma origem e, portanto, também as mesmas responsabilidades".

Abdelsalam: o Papa no Iraque, uma visita significativa para toda a região árabe

Na conclusão do encontro online, o Juiz Abdelsalam lembrou da "Fratelli tutti" que ele mesmo, juntamente com outros oradores, apresentou no Vaticano em 4 de outubro de 2020. A encíclica do Papa Francisco nos lembra que "somos todos irmãos". E como irmãos, "o Iraque está em nossos corações", acrescentou. "O país constitui um maravilhoso mosaico para a coexistência humana. Mas este quadro foi ensanguentado pelo sangue de suas crianças inocentes que pagaram o preço de guerras e conflitos que duraram décadas e foram vítimas de um terrorismo negro que destruiu mesquitas e igrejas, deixando uma grande ferida no corpo do Iraque”.

Estes dramas emocionaram o coração do Papa que Abdelsalam - como ele mesmo confiou - tinha encontrado exatamente um mês antes da viagem apostólica: "O Santo Padre me disse que, quaisquer que fossem as dificuldades, ele iria de qualquer modo ao Iraque para a unidade do povo". É precisamente esta unidade que é o caminho a seguir, dois meses após a visita do Pontífice: "Colaboremos - foi o convite do Secretário do Comitê para a Fraternidade Humana - e pensemos sobre o que fazer no futuro para dar algo a este querido país".

 
Indique a um amigo